top of page

A importância de considerar os sentimentos na tomada de decisão

Eu e o Regis já tínhamos duas cachorras, a Lupita e a Bela, já estava de bom tamanho para nossas condições.

Certa vez, em um dia que não parava de garoar, saímos para dar uma volta, estávamos passeando perto de um sítio onde o Régis morava, em Juquitiba, e vimos uma cachorrinha presa sozinha em um canil. O canil era longe da casa do caseiro, ela estava com frio, muito isolada e com medo. Se precisasse de ajuda, provavelmente ninguém ia ouvir.


Nós chamamos o caseiro para perguntar o que estava acontecendo, ele disse que a cachorra do sitio deu cria, os demais filhotes já tinham sido doados e sobrou ela, que eles chamavam de Maya. Mas ela era muito arteira, estava pegando as ferramentas dele, sapatos, etc e levando para o meio do mato e ele não conseguia mais achar, então teve que deixa-la presa.

Nós nos encantamos com a Maya, ficamos com muita vontade de adotar, mas já tínhamos duas cachorras, três era demais. Será que não estávamos decidindo por impulso? Talvez fosse melhor ajudar a encontrar um dono para ela...


Fomos para casa e não a levamos, mas a cada vez que eu pensava em adotar a cachorra, eu sentia uma explosão de alegria, apesar da minha mente e meu senso de responsabilidade me dizerem que era um absurdo e que eu ia arranjar mais um problema além dos que eu já tinha. Observando meu diálogo interno, eu me dizia que eu “devia” era ficar brava e não alegre com uma hipótese dessas! Falei isso para o Régis, ele me disse que esse diálogo interno estranho também estava acontecendo com ele.


Então consideramos que se nós dois estávamos sentindo a mesma alegria, iríamos adota-la. Voltamos ao sítio e a levamos para casa. Com a CNV, aprendi a dar a devida importância ao que os sentimentos me apontam e considera-los, junto com a razão, na tomada de decisões.

Foi a melhor escolha que tivemos. A Maya é uma “derretedora de cérebros”, mesmo adulta parece um filhote, deixa qualquer um abobalhado, é uma explosão de fofura misturada com um comportamento muito engraçado.

Isso aconteceu na época em que a Covid ainda não dava sinais de melhora e recentemente havíamos decidido encerrar o projeto da Comunidade Dedo Verde. Eu estava muito cansada emocionalmente por conta do stress da pandemia e ainda lidando com um luto dilacerante.

A novidade da companhia da Maya foi um alívio, uma parceirinha que me apoiou muito a superar esses momento difíceis com sua fofura, alegria e esquisitices, eu brinco que ela é meu “antidepressivo”.


Que bom que naquele momento, abrimos espaço para considerar também o que nosso coração estava nos dizendo.

Essa foto foi no dia da adoção, ela está com essa cara de assustada porque a gente tinha acabado de levar ela para casa, ela ainda não sabia o que ia acontecer.

Marina De Martino Facilitadora de Grupos de Comunicação Não-Violenta e Justiça Restaurativa Atendimentos individuais, casais, famílias, escolas, empresas, ongs #cnv #comunicacaonaoviolenta #justiçarestaurativa #dialogo #cooperacao #jogoscooperativos #mediacaodeconflitos #ansiedade #educacaoemocional #pedagogiadacooperacao #psicologia #psicopedagogia #terapia #autoconhecimento #servicosocial #recursoshumanos

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Você sabota seus sonhos por medo de pedir o que precisa?

Certa vez, estava conversando com um casal e sua filha, de aproximadamente uns 6 anos de idade. Estava se aproximando o dia das crianças e o pai da menina falou: ela só pede presentes caros, assim não

Carta de um pai arrependido a uma filha

Minha filha, somente hoje, depois de muitos anos, eu reconheço eu errei com você. Quando você era adolescente, eu te falei palavras grotescas, vulgares, que jamais um pai deveria falar para uma filha.

Comments


bottom of page