top of page

O Foco da CNV não é a Comunicação, é a Não-Violência!

Continuando as considerações sobre o último post, em que eu comentei sobre as críticas feitas pela Thais Basile, a trechos do livro do Marshall Rosenberg:


Temos mais alguns pontos importantes a observar:


- entre eles, o fato da diferença estrutural entre a língua inglesa e portuguesa também causar confusões conceituais nas traduções. Conforme Dominic Barter apontou, por exemplo, em inglês o termo é "Non-Violent Commnunication" e em português ficou "Comunicação Não-Violenta".

Em inglês o termo Não-Violenta/Não-Violência vai na frente, chamando muito mais a atenção do que o termo comunicação. O que leva a um significação muito mais próxima do entendimento da CNV como prática de Não-Violência!


- os livros que levam o nome do Marshall, não foram escritos por ele. São coletâneas de trechos de cursos, palestras, workshops, entrevistas, textos, etc. Ele nunca escreveu um livro com a intenção de "ensinar" CNV.


Então, esses materiais, por serem recortes fora de contexto, vão apresentar incoerências e falhas. E isso é realmente problemático quando cai nas mãos de pessoas sem um conhecimento profundo da teoria e prática e começam a divulga-la de acordo com o que leu.


- o fato do Marshall não ter escrito um livro didático com a intenção de ensinar CNV, está ligado ao fato de que a maior parte do aprendizado não é por meio da teoria, o que é possível escrever e transpor para uma sistematização didática, é muito menor do que o alcance e profundidade que a prática requer. É como tentar ensinar alguém a modelar cerâmica por exemplo de um livro, por mais que a pessoa leia, faça exercícios, etc, ela só vai realmente alcançar um nível de satisfatório após anos de treino, na prática, e provavelmente aprendendo "segredos" e peculiaridades com quem passou a vida toda fazendo isso, é um tipo de conhecimento que não pode ser vendido nem comprado. Por isso que o Dominic compara o aprendizado da CNV a uma prática "artesanal".


- quando tentamos praticar CNV e nos apegamos a uma ideia fixa do que é CNV, acreditando que há um jeito certo e outro errado de fazer, já não estamos praticando CNV, pois o que ela requer, principalmente, é a flexibilidade de pensamento e de leitura de mundo.


- O subtítulo original do Livro Comunicação Não-Violenta inglês é "A Language of Life", Uma Linguagem da Vida. Em português foi traduzido como "Técnicas para Aprimorar Relacionamentos Pessoais e Profissionais".


Logo, existe uma grande diferença de significado entre " Uma Linguagem da Vida", algo que é compreendido como o estudo dos fatores que sustentam e enriquecem a vida, a compreensão de como sustentar e manter a saúde física, psíquica, emocional e espiritual, bem como aprender a conviver em harmonia com todos os seres viventes do planeta e entre aprender "técnicas de comunicação" para usar em determinados momentos e com determinadas pessoas, algo feito "para o outro", o que acaba se distorcendo para um entendimento de como usar a linguagem para convencer os outros a fazer o que você quer sem parecer autoritário.


Essa perspectiva definitivamente não é a proposta da teoria desenvolvida por Marshall Rosenberg.


Quem se interessa pelo tema da CNV, sugiro beber nas fontes que inspiraram o Marshall, principalmente os Livros de Carl Rogers, sobre a abordagem centrada na pessoa, a filosofia de Martim Buber sobre a relação eu-tue a a relação eu-objeto, a pedagogia libertária de Paulo Freire e sua relação com o poder da fala e escuta, etc


Além disso conheçam a teoria de Maturana sobre o "gene do amor", conheçam as práticas da Justiça Restaurativa, os Círculos de Constução de Paz desenvolvidos pela Kay Pranis, O Abuso do Poder na Psicoterapia, de Adolf G. Craig, um pouco da teoria dos opostos de Jung pode contribuir também, e uma série de outros conteúdos convergentes.


Marina De Martino

Facilitadora de Grupos de Comunicação Não-Violenta e Justiça Restaurativa

Atendimentos individuais, casais, famílias, escolas, empresas, ongs


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Você sabota seus sonhos por medo de pedir o que precisa?

Certa vez, estava conversando com um casal e sua filha, de aproximadamente uns 6 anos de idade. Estava se aproximando o dia das crianças e o pai da menina falou: ela só pede presentes caros, assim não

Carta de um pai arrependido a uma filha

Minha filha, somente hoje, depois de muitos anos, eu reconheço eu errei com você. Quando você era adolescente, eu te falei palavras grotescas, vulgares, que jamais um pai deveria falar para uma filha.

Comments


bottom of page