top of page

Transformando conflitos pela escuta das necessidades

Há algum tempo, eu decidi fazer uma segunda graduação, em Pedagogia, e precisei fazer estágio em um escola de educação infantil.

Havia um menino, que vou chamar de Felipe, de aproximadamente uns 5 ou 6 anos de idade, que tinha o irritante hábito de disputar brinquedos com seus colegas.


Disputar brinquedos é algo que faz parte do desenvolvimento das crianças, e acolher, lidar com o limite, o espaço do outro, a frustração, a espera, é um aprendizado social importante. Mas no caso dele, era algo exagerado, era só alguém pegar um brinquedo, que ele cismava que queria brincar exatamente naquela hora com o mesmo brinquedo.


Fiquei observando que provavelmente o foco do conflito dele não era o brinquedo, mas o que estava além disso. O brinquedo era uma estratégia/solução para ele atender alguma necessidade, talvez de contato, atenção, companhia, troca, etc.


Considerando isso, imaginei que talvez ele não soubesse outra forma de interagir com os colegas, a não ser por meio da disputa, que seria interessante mostrar para ele outras formas mais funcionais (que na CNV chamamos de estratégias) de estar junto e atender essas necessidades.

Quando aconteceu de um menino pegar um carrinho para brincar e o Felipe iniciar o conflito com ele, eu sugeri que eles brincassem juntos. O Felipe jogava o carrinho para o colega e o colega jogava o carrinho de volta para ele.


Ficaram satisfeitos e brincaram por um bom tempo.

Ter consciência das necessidades que motivam escolhas e comportamentos é um caminho potente para direcionar os conflitos para uma solução simples e construtiva.


Marina De Martino

Facilitadora de Grupos de Comunicação Não-Violenta e Justiça Restaurativa

Atendimentos individuais, casais, famílias, escolas, empresas, ongs


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Como a liberdade sexual me levou ao abuso

texto originalmente publicado na revista Az Mina, de autora anônima https://azmina.com.br/colunas/como-a-liberdade-sexual-me-levou-ao-abuso/ Nenhum homem nunca me estuprou, mas eu me deixei ser abusad

Comments


bottom of page